Minhas Compras
Você adicionou a sua lista de compras. O que deseja fazer agora?
Continuar Comprando! Fechar Compra!

Notícias

Informe-se com as notícias mais atuais

JUÍZA PEDE CERTIDÃO DE BOM COMPORTAMENTO DE LULA À PF PARA DECIDIR SOBRE SEMIABERTO

Carolina Lebbos vai decidir se ex-presidente poderá progredir para o regime semiaberto

JUÍZA PEDE CERTIDÃO DE BOM COMPORTAMENTO DE LULA À PF PARA DECIDIR SOBRE SEMIABERTO

A juíza Carolina Lebbos , responsável pelo processo de execução da pena do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, pediu que a Polícia Federal encaminhe uma certidão da conduta carcerária do petista. O procedimento é necessário para que a magistrada decida se irá conceder a progressão de Lula para o regime semiaberto, como pedido pelo Ministério Público Federal na última sexta-feira.

Em decisão publicada nesta segunda-feira, Lebbos determinou que os procuradores juntem ao processo o cálculo atualizado da pena e também intimou os advogados de Lula a se manifestarem sobre o pedido do MPF.

A juíza Carolina Lebbos, substituta de Sérgio Moro na 12ª Vara Federal da Polícia Federal, em Curitiba, pediu explicações, nesta segunda-feira (30), sobre o comportamento do ex-presidente Lula na prisão e uma manifestação da defesa para avaliar o pedido de progressão para o regime semiaberto, solicitado pelos procuradores da Lava Jato.

“Considerando o requerimento do Ministério Público Federal de evento 808, (i) junte-se cálculo atualizado de pena; (ii) solicite-se à Superintendência da Polícia Federal no Paraná o encaminhamento a este Juízo de certidão de conduta carcerária do preso; (iii) intime-se a Defesa para manifestação”, diz o despacho de Lebbos.

A defesa do ex-presidente já declarou que Lula não tem interesse em ir para o semiaberto e que ele só sairá da prisão com a inocência comprovada. “Não troco minha dignidade pela minha liberdade”, declarou Lula em carta.

Deltan Dallagnol diz que ele deve sair de Curitiba. “Quando uma pessoa cumpre os requisitos todos para a progressão de regime não tem só o direito, mas o Estado não pode exercer seu poder de prisão para além do que tem direito. Assim, uma vez cumpridos os requisitos, normalmente os réus pedem a progressão. Se o réu não pedir, é obrigação nossa, do Ministério Público pedir”, afirmou o coordenador da Lava Jato.


Fale com seus clientes!

Fale com seus clientes de forma que eles te ouçam. Anuncie conosco!

TOP
Ouvir Rádio