Minhas Compras
Você adicionou a sua lista de compras. O que deseja fazer agora?
Continuar Comprando! Fechar Compra!

Notícias

Informe-se com as notícias mais atuais

BRASIL ABRE 74ª ASSEMBLEIA GERAL DAS NAÇÕES UNIDAS

Presidente Bolsonaro discursa em Nova Iorque hoje 24 de setembro

BRASIL ABRE 74ª ASSEMBLEIA GERAL DAS NAÇÕES UNIDAS

Foto: Arquivo da TV ONU

O presidente da República, Jair Bolsonaro, abre a 74ª Assembleia Geral das Nações Unidas hoje  24 de setembro. A fala inicial do Brasil cumpre uma tradição de 1947, quando o diplomata Oswaldo Aranha presidiu a Assembleia em dois momentos.

Primeiro, entre abril e maio, quando o Reino Unido solicitou uma convocação extraordinária para discutir o status da Palestina, que desde o fim da Primeira Guerra Mundial estava sob um mandato britânico. E depois, em novembro de 1947, quando esteve à frente da 3ª Assembleia Geral das Nações Unidas que discutiu e aprovou a criação do Estado de Israel.

Neste contexto, o diplomata declarou na tribuna das Nações Unidas: “Minhas decisões, mesmo que elas sejam pessoais, vão estar inspiradas na minha projeção delas em direção a vocês e na aderência do Brasil a sua tradição histórica de imparcialidade e de cultura jurídica e, por último, mas não menos importante, no apoio favorecido do meu país às Nações Unidas”.

O professor de Relações Internacionais da Universidade de Brasília, Juliano Cortinhas, explicou que a decisão de o Brasil abrir a assembleia decorreu de dois fatos: a atuação na Segunda Guerra Mundial, quando o país combateu ao lado dos norte-americanos na Itália em 1945; e por não ter obtido um assento permanente no Conselho de Segurança das Nações Unidas, que é formado por EUA, França, Reino Unido, China e a Rússia (ex-União Soviética).

 

“No sentido de que a gente não teve esse pleito atendido, a cadeira no Conselho de Segurança da ONU como membro permanente, nos é dada essa prerrogativa de fazer sempre o discurso inicial”, disse.

Para o embaixador e diretor do Departamento das Nações Unidas do Ministério das Relações Exteriores, Luis Fernando Abbott Galvão, essa tradição traz visibilidade ao Brasil. “É uma ótima oportunidade para proferir a visibilidade ao discurso brasileiro no debate geral da Assembleia. Então, é um momento em que os estados membros estão todos presentes no debate geral, os líderes”, defendeu.

Abertura da Assembleia

Nem sempre foram os presidentes do país que abriram a Assembleia Geral das Nações Unidas. Muitas vezes esse papel coube ao chanceler brasileiro, o ministro das Relações Exteriores.

Em 1974, no governo do presidente Ernesto Geisel, o chanceler Azeredo da Silveira fez um discurso que enfatizou o pragmatismo e a responsabilidade da diplomacia brasileira a partir dos princípios do universalismo, da diversificação de parcerias e da primazia dos interesses nacionais. Onze anos antes, em 1963, no governo do ex-presidente João Goulart, outro chanceler, Araujo Castro, proferiu o discurso.


Fale com seus clientes!

Fale com seus clientes de forma que eles te ouçam. Anuncie conosco!

TOP
Ouvir Rádio